Luiz Felipe Scolari

Escrito porno 8 de outubro de 2018

Um jogador que nasceu para ser técnico. Um técnico que nasceu para ser Campeão.

Nosso Felipão.

Tudo terminou e começou no CSA de Alagoas, lá fez sua última partida como jogador profissional, lá conquistou seu único título como jogador(1981) e lá começou uma história de vitórias e títulos como técnico de futebol(1982).

Felipão era considerado um líder em campo pelos seus amigos, orientava e brigava exigindo garra, entrega e determinação, e assim, em 1981, foi deixando o lado jogador e assumindo o lado treinador, em 1982, assumiu de vez a carreira como técnico do CSA, de lá pra cá se tornou um dos maiores e mais vitoriosos técnicos do futebol brasileiro e mundial.

Depois de várias passagens em outros clubes, Felipão chegou ao Palmeiras (1997), já em 1998 foi Campeão da Copa do Brasil, criou uma identificação com o clube e com a torcida. Por méritos, Felipão foi servir à seleção brasileira, e foi Campeão do Mundo em 2002 com vários jogadores do Palmeiras, era a família Scolari que nascia.

As histórias começavam a se confundir. Morreu líder ( em campo)………….Nasceu Campeão (como técnico).

Muito contestado em sua segunda passagem, onde conquistou a Copa do Brasil, mas perdeu a mão do time no Campeonato Brasileiro. Felipão foi demitido após perder para o Vasco por 3 a 1, com a saída do técnico pouco mudou em campo, o time continuou com péssimas atuações e foi rebaixado no brasileirão.

Felipão assumiu a seleção brasileira onde foi campeão da Copa das Confederações em 2013, na Copa do Mundo em 2014, ao lado do auxiliar técnico Parreira, teve sua pior derrota no futebol, amargou os 7 a 1 para a seleção da Alemanha dentro de casa. Para a imprensa e muitos torcedores, tudo o que o técnico já havia conquistado não tinha mais valor, não tinha mais importância. Uma derrota* onde os jogadores pareciam dopados, sonolentos. No mínimo estranho.

De lá pra cá, seu nome foi especulado várias vezes, mas a rejeição por boa parte da torcida, por conselheiros do clube e pela imprensa, onde era massacrado pelos 7 a 1, impediram o seu retorno. Seis (6) anos depois e com o clube completamente reformulado, estádio novo ( Allianz Parque), centro de treinamento novo ( Academia e centro de excelência), Felipão voltou.

A reação de muitos torcedores não foi diferente de antes, mas a decisão já estava tomada, agora a opção era apoiar e torcer para o melhor. E o melhor aconteceu.

Felipão chega em 2018 com 33 títulos na carreira, entre estaduais, nacionais, Internacionais e Mundial. Pelo Palmeiras foi campeão em:

-1998 e 2012 – Copa do Brasil

-1998 – Copa Mercosul

-1999 – Copa Libertadores da América

-2000 – Torneio Rio-São Paulo

Felipão chegou ainda melhor, mas maduro, amaciado, calejado, mais preparado para as provocações da imprensa e dos adversários, aprendeu a transformar ofensas e provocações em energia boa, voltou mais líder do que nunca, foi calando a imprensa, que insistia em dizer que o técnico era “ultrapassado”.

A torcida, por mais que ainda desconfiasse, deu um voto de confiança, e abraçou Felipão, que abraçou os jogadores, que abraçaram o técnico.

Felipão chegou chegando, pegou um elenco com qualidade, mas com pouca confiança, e dividiu, sim, dividiu para unir, para ganhar a confiança do grupo de jogadores. Aqueles que estavam tendo poucas chances, ganharam a titularidade, o técnico ultrapassado montou dois times titulares, isso mesmo, fez o que muitos de nós esperávamos quando o diretor de futebol, Alexandre Mattos, contratou tantos jogadores com qualidade. Fez o que outros técnicos não conseguiram com mais tempo de casa, em pouco menos de três (3) meses Felipão transformou, dividiu e somou. Trouxe a confiança de volta.

Com dois times, o ultrapassado Felipão, chegou na semifinal da Copa do Brasil, onde teve um lance mal anulado pela arbitragem na primeira partida dentro do Allianz Parque, o que poderia ter mudado a história do jogo da volta no Mineirão. O ultrapassado Felipão, está na semifinal da Libertadores. O ultrapassado Felipão, tirou o Palmeiras da sexta posição do campeonato brasileiro, oito (8) pontos atrás da liderança, e levou o time à liderança com três (3) pontos à frente do segundo colocado. O ultrapassado Felipão, tem o melhor aproveitamento, com 85%, no segundo turno. O ultrapassado Felipão tem:

12 jogos invictos no brasileirão

segundo melhor ataque com 43 gols

segunda melhor defesa com 18 gols sofridos

o maior número de vitórias, 16

o menor número de derrotas, 4

Felipão pode ter um feito inédito no futebol brasileiro. Ser campeão usando dois grupos de jogadores de um mesmo elenco, em duas competições disputadas simultaneamente.

São números que não mentem, o “ultrapassado Felipão, “ultrapassou” qualquer expectativa, ele pode não conquistar nenhum título esse ano, mas conquistou de volta o respeito e a admiração de todos.

E assim como o Palmeiras, Felipão se mistura à nossa história.

Claudio Ricci

08/10/2018


Opiniões do leitor

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


Web Rádio Verdão

A rádio do torcedor Palmeirense feita por Palmeirenses

AO VIVO
TITULO
ARTISTA

Carregando...